segunda-feira, 14 de julho de 2008

Situação


Morrer!
Vamos logo, matando um por um, vamos morrer um dia mesmo, por que não antecipar?
Venha senhor policial! Confunda-me com um bandido e mate-me, jogue fora todo esse estresse com 5 ou 6 tiros.
O que é hoje a minha vida perto de um banqueiro, político, traficante, pessoas podres dos meus pais.
Todos eles estão vivos, abusando da nossa deficiência de não lutar pelos nossos direitos.
Eu não tenho um escudo de dinheiro!
Tão banal morrer, é um estatística, uma pagina de jornal.
Mas apesar de todo este meu descaso com a morte, eu tenho medo.
Medo de não ter feito nada para mudar esta situação, de não reagir a tanta brutalidade, de não ter dado a minha cara tapa e ter lutado pela vida de alguém.
É muito fácil reclamar, julgar as pessoas, sentada em frente ao computador, protegida por uma casa aconchegante.
Sozinha eu não posso realizar o meu desejo de mudar a sociedade, porém, sozinha fico a cada minuto questionando.
Onde está aquela juventude brasileira que lutou contra a ditadura militar?
Será que hoje são esses capitalistas com 60 anos?
Por que um panelaço na Argentina consegue derrubar um presidente?
E aqui, acontecem passeatas com no máximo 100 pessoas.
PORQUE TEMOS MEDO DE LUTAR?
Já estamos numa guerra civil.
Guerreando contra os nossos defeitos, contra o nosso sangue frio!
Neste momento alguém esta morrendo de fome, ou por uma bala perdida.
Alguma criança deve estar morrendo em algum corredor da Santa Casa, pois foi atropelada por um bêbado.
E a culpa no final... É minha, é sua, é de todos nós, por termos aceitado tal situação
.


;*

domingo, 13 de julho de 2008

Sick, Sad Little World



São quatro da manhã, o céu nem imagina em clarear, não se vê mais a lua, somente três estrelas.
Cobertas quentes. Um corpo frio.
Travesseiro cheio de pesadelos, melancólico travesseiro.
Olhos abertos, em profundo a alerta, procurando qualquer sintoma sonífero.
Pensamentos equivalentes a pensamentos de um dia inteiro, tudo passa pela mente poluída. Alcança o medo e volta a realidade.
Uma musica começa a tocar, e já vai tomando conta dos lábios.
Os pés arriscam alguns passos, e a camisola, leve, de seda, roda sem parar.
O corpo que era frio, agora está quente, cansado, mas permanece um arrepio de insegurança.
Quando o sol subir, a vida vai continuar, as olheiras vão estar estampadas em seu rosto, mostrando que teve mais uma noite de insônia.
E feliz dia Mundial do Rock ;*

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Uma equação



Você já amou alguém na vida?
Um amor de cinema, cheio de dramas no decorrer da historia, de beijos, de olhares cheios de paixão?
Já teve a sensação de ser amado?
Se sim, me conte como é amar alguém, o que se sente, se tem gosto de algodão-doce, se arde como fogo, como é morrer de amor e mesmo assim continuar vivendo.
Conte-me o segredo desse bicho de sete cabeças, o mistério que tenho medo de descobrir sozinha.
O porquê faz tanta gente chorar e ao mesmo tempo sorrir, se é pra sempre, por que acaba?
É possível passar uma vida inteira sem amor, e ser feliz assim mesmo?
E as loucuras de amor, valem à pena?A falta de razão é uma boa escolha?
Confesso todo esse meu medo, um tanto quanto estranho e ingênuo, simples medo de amar.
Entendo a paixão, gostosa sensação passageira, como uma barra de chocolate, mas se não é a certa acaba como um limão chupado.
Preciso de um manual, um manual do amor, com capítulos que falem sobre como saber quando é amor,porque fazer as mãos suarem e sentir o corpo todo estremecer não vale,sentiria isso se visse o Johnny Depp na minha frente.
Como é gritar em alto e bom som eu te amo no meio da praça da sé?
Receber um pedido de casamento ao som de violinos?
Amar é muito mais que isso?
Muito mais do que se vê em filmes?
Ou é algo que nem eu, nem você, nem ninguém pode explicar?
Quero um dia entender, nem que seja somente por palavras ditas por algum estranho que jura saber o que é o amor e seus sofrimentos, e que neste momento anda de cuecas pela casa procurando uma garrafa de cerveja, o seu amor.
Mas e agora, o que tem haver amor com cerveja?
Acho que nada, foi algo escrito sem pensar, um dia eu vou entender o que é esse tal de amor, vou entender o porquê destas minhas lagrimas ao ouvir musicas românticas, e de achar graça desta situação de desabafo de menina.
Por favor, não diga nada, só me deseje boa sorte.


Ai que saudades que eu estava desse blog, juro que agora não abandono mais!


;*